DECIFRA-ME OU DEVORO-TE

O que é um blog? Sabe, ainda não descobri por inteiro... Escrevo aqui quando estou inspirado, meio bêbado ou quando não estou fazendo nada... Tento ser sério e não falo nada útil... Tento ser engraçado, e acabo sendo sem-graça... É, acho que ainda tenho alguns problemas aqui... Mas, quem sabe a prática não ajude? O fato é que aqui falo muito de mim... Quase não falo de outras coisas, até porque, dentro do meu "egoísmo cotidiano", me sinto um tanto quanto deslocado... E quem sabe aqui, não consigo me decifrar melhor, entender o que acontece tanto no mundo real quanto no virtual? O que é um blog mesmo?

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Adeus ano velho...

I just question our modern needs...

Sobre mim:

Once upon a time I could control myself
Once upon a time I could lose myself
Once upon a time I could love myself
Once upon a time I could love you...

É, senhor...

Hear my name, take a good look
This could be "the day"
Hold my hand, walk beside me
I just need to say...

Feliz ano novo!!

Em 2010...

I will walk with my hands bound
I will walk with my face blood
I will walk with my shadow flag...

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Juds Retrô 2009

Pois é, não tem jeito... O ano está acabando, os dias estão se arrastando para o fim... Hora de tentar entender ele, de rever as coisas que passaram, e tentar ter algum saldo, seja positivo ou negativo... Será que consigo?

Um começo promissor!!! Uma viagem maravilhosa para um lugar paradisíaco, e finalmente uns dias na "cidade maravilhosa"... Parecia que tudo ia ser fantástico neste ano, se seguisse os acontecimentos do início do mês de janeiro... Pois bem, foi só impressão...

Por mais planejamento, tentativa de organização, a correria foi demais!!! O dinheiro, sempre curto (um tanto por conta das farras, quase intermináveis), o cansaço, sempre muito grande... Aulas não foram assistidas, aulas não foram dadas, coisas foram deixadas pela metade, aquilo que foi planejado não foi cumprido... E teve de tudo: greve, gripe suína, trabalhos e mais trabalhos... Que ano...

Um ano que quase foi deixado para trás, que quase foi o fim de um sonho: quase deixei um curso de graduação na USP, que eu ambicionava fazer desde os idos de 2003... O cansaço, a falta de muitas perspectivas futuras, a impossibilidade de fazer o curso de uma forma melhor... Quase... Muitas foram as conversas com amigos, noites mal dormidas, planos sendo refeitos... Mas, ao ver uma amiga que está na quinta faculdade, que é uma das melhores alunas da turma, fazendo a prova, e sempre de bem com a vida, tive a revelação: por que eu tenho que encarar tudo tão a sério? Por que tenho que ser tão ranzinza comigo mesmo?

Pois dai, comecei a ver as coisas a partir de outra maneira... Pra que ver sempre o lado negativo? Pra que sempre reclamar das coisas? Sai de casa, começou a chover... Bom, é para lavar a alma!!! Dia cansativo no trabalho? Dia muito produtivo!!! Prova ruim na facul? Bom, sinal que preciso estudar... Se as coisas acontecem, é porque tem um propósito, talvez um pouco além da minha compreensão...

Bom, e foi isso... O que? O resto? Ah, o resto foi chateação... O de sempre... Problemas de família, problemas de "relacionamento", o desacerto no mundo de sempre, as mulheres que vão e vem (mais vão do que vem)... Mas pra que falar disso? Pra que chatear com isso? Se posso dizer que voar é fantástico!!! Que o Rio Grande do Sul é lindo!!! Que cada vez mais sinto uma paixão imensa por lecionar!!! Que tenho bons amigos, mesmo que as vezes eu não seja um bom amigo... Que minha mãe se enche cada vez mais de vida, mesmo que tudo aconteça para que ela "definhe"... Que minha família é maravilhosa, e vai aumentar neste ano de 2010!!!

Como minha memória não é tão boa, não lembro de muita coisa... Mas tomar consciência dos meus quase trinta anos sem tomar um grande choque e poder ter vida e ânimo para planejar o futuro, seja em coisas breves como em coisas a longo prazo me dão prazer... E até o meu egoísmo, que me atrapalha e volta e meia me cega, o que me faz me sentir mal as vezes, tem me ajudado... Tenho que fazer as coisas por mim, pela minha mãe e por minha felicidade, e é bom fazer isso tranquilo, de alma limpa...

E esse foi o meu ano de 2009, sem grandes "acontecimentos" ou estupendas "realizações"... Diríamos que foi um ano de provações, e creio ter passado bem por elas... Por que? Bom, pelo simples fato de acreditar piamente que o ano que se avizinha será bom... Não porque vão acontecer coisas mirabolantes, e poder dizer que vai ser um ano que vou arrebentar, ou isso e aquilo... Mas pelo simples fato de eu ter tranquilidade e alegria de viver a vida cotidiana, de elaborar e tentar seguir planos simples, e até alguns mais elaborados... Sim, o saldo foi positivo... Mesmo que o ano ainda não tenha acabado... Mas, já está na hora de dizer "feliz ano velho"...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Entre amar e desamar...

Isso tá na minha cabeça tem um tempo já... Entre amar e desamar... Parece um pouco do resumo de minha vida amorosa através destes quase trinta anos...

Entre amar e desamar... Algumas gurias já passaram pela minha vida... Algumas no momento certo, mas as pessoas erradas... Outras, as pessoas erradas, no momento mais errado ainda... E tem também as gurias certas... Mas ou o momento era o errado, ou eu não era a pessoa certa, ou ainda as coisas não eram realmente pra ser...

Entre amar e desamar... Muitas foram as vezes que eu precisei reconstruir as ideias, repensar as coisas e ações, remontar meus sentimentos... Outras tantas foram as que eu simplesmente virei as coisas, e pouco me preocupei com o estrago que eu tinha feito... Em outras, tudo passou, e amor e desamor não foram mais do que um simples beijo, uma simples noite...

Entre amar e desamar... Complicado quando você encontra a pessoa, e as coisas não acontecem para que você ame... E ai, é preciso desamar... E quando você quer desamar, e a pessoa só quer amar? Bem complexo... Mas creio que viver tentando desamar um amor, mesmo que seja um breve amor, seja pior...

Entre amar e desamar... Algo que ficou na minha cabeça por muito tempo, e que me moveu quase o ano inteiro!!! E que provavelmente vai me consumir mais um pouco em 2010... Que me deixa na dúvida entre continuar solteiro, amando e desamando constantemente, ou finalmente amar, para tentar não mais desamar... Será isso possível?

one nine nine one

Caros...

O fim de ano sempre me faz ter muitas reflexões... Sobre a vida amorosa, a vida profissional, a vida familiar, sobre a vida por si só... E sempre acabo entrando numas ondas melancólicas, numas reflexões meio absurdas e bizarras, e tento me reinventar, buscar significados para minha existência, e para meus objetivos e sonhos...

Pois bem: este fim de ano, estou apegado demais ao youtube. Uma forma bacana de ouvir música, ver uns vídeos antigos, ou outros nem tão antigos... Pois em um desses vídeos, tive uma revelação: estou ficando velho, de verdade... O tempo está passando...

O vídeo em questão é uma montagem de fotos da banda Pearl Jam (sim, sou muito fanático por Pearl Jam...), com a música Yellow Ledbetter... A música é maravilhosa, e parece que as fotos foram escolhidas a dedo... São imagens de toda a carreira dos caras, desde que eles eram uns caras malucos que pulavam, gritavam, quebravam tudo, até os dias atuais, mais tranquilos, mais maneiros...

Bom, e dai? Dai que eu me vi passando rapidamente nos 5:19 do vídeo... Me ví perguntando porque eles não são mais os mesmos, porque não tem a mesma energia... E cheguei a conclusão que o tempo passou, que eles, hoje em dia, são senhores nos seus quase (ou já) cinquenta anos... E eu, batendo na porta dos trinta... Enquanto eles eram os doidões acima, eu ainda era uma criança, quase adolescente... Um pirralho que enchia muito o saco de todo mundo...

Hoje, sou um cara sossegado (já fui meio locão como os caras do Pearl Jam), que vê as coisas de outra forma, sem tanta loucura, assim como o Pearl Jam... Envelhecemos, e temos uma história para contar... Ou seriam diversas histórias?

O tempo passa, as coisas acontecem, e as vezes a gente nem percebe... Ou tenta fazer de conta que não percebemos... E, quando nos damos realmente conta, aquela banda que tanto gostavamos só toca em rádios que são de músicas "antigas", as músicas viram "clássicos"... Os caras acabam representando o "bom e velho rock n' roll", aquele que nunca morre...

Pois é, fim de ano, o tal do "espírito de natal", as reflexões... Bom, espírito de natal, pra mim, não existe... É uma boa data para estar com a família (até porque estou de férias), nada mais... Isso de compras, de presentes, de "feliz natal"... Bobagem!!! Família, isso sim é o que tem de comemorar!!! Boas festas, nada mais!!! Até porque o tempo passa, e muitas vezes não damos conta de como ele passa depressa... E, quando vemos, já se passaram quase vinte anos... 1991, tão pouco tempo atrás...

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

O começo do fim... Ou feliz ano velho?

Pois bem, está chegando o derradeiro fim do ano... Época de ver a família, dar presentes (pra quem for consumista, o que não é o meu caso...), desejar "boas festas", dar "caixinhas de Natal" (bom, não é o meu caso),fazer um balanço do ano que passou, fazer as "promessas de ano novo", pular as sete ondinhas (esse ano não...), comer e beber como se fosse o último dia de nossas vidas...

Dessas coisas, as que tem alguma observação não serão realizadas... As outras, ou estão em processo de, ou estão sendo esperadas ansiosamente... Mas também, pra mim, é um período meio chato... Não tem muito o que fazer, não tem jogo de futebol na tv e muitos amigos estão viajando...

Por isso, minha presença aqui será constante, como forma de eliminar o tédio, pra tentar me organizar, pra... Ah, sei lá pra que... Uma hora eu vou cansar de ler os livros que tenho de "cabeceira"...

Bom, preparem-se neurônios!!!

domingo, 20 de dezembro de 2009

Upload post anterior...

De Rush para Foo Fighters... De nada para fazer para definição do ano "letivo" de 2010 na faculdade... De esbórnia para pensamento no futuro, reflexão sobre possíveis contas, projetos para o ano que se avizinha...

Falando nele, creio que devo começar a pensar nas sete ondas pra pular, e começar a elabora a lista das "coisas que eu acho que vou fazer, mas tenho certeza que vou parar na metade", ou simplesmente as "promessas de ano novo"...

Mas isso fica para outro post...

By autor

Insônia, Rush e internet

Pois é, molecada... Este que vos fala sofre de insônia as vezes... Ainda mais quando o dia anterior foi de completa esbórnia... Mas melhor não falar do dia anterior... Pode render muitos problemas... Só uma coisa: Deixou chegar, amigos, eles são terríveis, são milongueiros... hahahahahahahahaha

Mas enfim, em uma noite como essa, que há de se fazer? Você dorme durante o dia, vê o Barcelona finalmente ser campeão mundial, vai pra internet... São muitas opções... Mas chega uma hora que falta o que fazer, e dai você tem de inventar coisas. Ainda bem que lembrei do Rush!!!

Fazia tanto tempo que eu não ouvia as músicas do Rush... Legal lembrar da abertura do Macgywer... O que, como você não lembra do Profissaõ Pergio? Com um chiclete, um tênis e óxido de ferro, ele produzia uma bomba e escapava de qualquer situação!!! hahahahahahahahaha

É, a noite está desocupada mesmo... Porra, justo uma noite de sábado?! Bom, o dia inteiro de sexta já compensou este sábado no "exílio"... Ao menos vou tentar fazer algo de mais útil...

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Have fun, stay single

Pois é... Essa noite, pela enésima vez, assisti o filme "singles" (Vida de Solteiro)...
Seattle, início da década de 90, pessoas solteiras se encontrando e se desencontrando... Perdi a conta de quantas vezes assisti esse filme sozinho, e pensei sobre ele... A quantas conclusões tive ao ver novamente as mesmas cenas, ao ouvir as mesmas músicas das ótimas bandas de Seattle (principalmente Pearl Jam), de refletir, de imaginar ações... Enfim, me construi e reconstrui diversas vezes vendo este filme...
O porém, o ponto onde mais me atenho no filme é na parte que tem o título deste post: Divirta-se, fique sozinho. Como se relacionar é complicado... As coisas poderiam ser mais simples, como um beijo... Ou concentrar-se no trabalho, ou no estudo, nas coisas a se fazer... Divertir-se, ser e/ou estar solteiro, sempre... Mas não, sempre complicamos, sempre buscamos alguém que esteja junto, que "case" as ideias, que sacie nossas vontades, nossos desejos...
As pessoas ficam juntas pelos motivos mais errados, brigam pelas coisas mais banais, sentem medo de poderem se realizar plenamente... Mas é legal ver o outro lado, porque muitas vezes as coisas não se "encaixam" como deveriam, ou como esperamos ser, mas não por mal, mas simplesmente pelo fato de não ser o momento, de não estar tudo preparado, ou pensado, resolvido...

É esperar e pensar: "por que demorou tanto?"

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Deveria ter um título?

Estou parado na frente da tela... Nada, nenhuma ideia, minha inspiração acabou faz tempo...
Escrevi apenas para dizer que escrevi... Fui um tanto como "cobrado" para isso...
Mas hoje o dia foi muito "morno" para qualquer coisa... O feriado, com chuva, com um milhão de coisas para fazer, mas sem vontade nenhuma para começá-las... Minha cabeça nunca está realment nas coisas que deveria fazer... Ah, a preguiça... A única coisas que me mexeu neste dia de hoje foi ter visto o imbecil do Gabriel Chalita (vereador, um "demente" da educação paulista) na TV. Ouvir a "oração do Chalita" todos os anos no antigo emprego era de matar...
Nem a fome me mexeu tanto... Que preguiça, que falta de vontade de fazer qualquer coisa... A cabeça longe...
Alanis Morissette tocando... Fiquei estranhamente viciado nessa guria desde o meio da semana... Tinha um cd, o Jagged Little Pill, que me foi furtado... Pela minha própria irmã!!! Um dos primeiros cds que eu comprei... Eu tinha ele antes mesmo de ter um som onde tocar... hehehehehehe
Ah, perai... R. R. Soares não dá, deixa eu trocar de canal...
Putz, nada... A TV é uma maldição!!! Nada de útil, mas me prende de uma forma bizarra!!!
Acho melhor começar a cozinhar e fazer minhas tarefas da aula de inglês... É, vou ter aula amanhã, nada de praia (mas também, com essa chuva)...
Por que escrevi tudo isso?! Bom, a solidão, a Alanis, a falta que "ela" faz... Que fazer? Queria algumas respostas, mas sei que não vou tê-las escrevendo aqui... Mas também, preciso tentar expor um pouco... Colocar pra fora... Que coisa maluca!!!
Coisa do mundo moderno, que dificulta ao máximo que você converse com alguém, que você possa falar o que você sente com alguém, pessoalmente... A internet é uma benção, e uma maldição...
Bom, por enquanto, ficarei por aqui... A ideia não é ter respostas, mas sim pensar um pouco nas dúvidas... Ah, e a barriga e o dever me chamam: o menu de hoje? Arroz, uma mistura qualquer, tang, lições de inglês, internet, talvez um filme...
Bjos do gordo

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Achados e perdidos


Incrível como este ano perdi coisas... E o pior, lembrei depois de as ter perdido... Isso é triste...


Se eu fizer uma lista de coisas perdidas, talvez até me perca no meio de tanta coisa: chave da casa da minha mãe, carteira com todos os documentos (encontrada depois pelo pai de uma aluna), óculos escuros (que sempre acho nos lugares mais inusitados), camisa da FFLCH do título de 2005 (vista passeando com novo dono na favela São Remo, do lado da USP), livro (que até agora não faço ideia onde foi perdido), máquina fotográfica (até agora não sei se foi furtada ou perdida), entre outras coisas que, ou não me dei conta, ou esqueci que perdi.


Fiquei pensando: qual o motivo de eu ter perdido tanta coisa assim este ano (ah, e o ano não acabou, e existem mais coisas a serem perdidas)? Será que o alto consumo alcóolico tem afetado minha memória? Será que o stress tem ocupado demasiadamente meus neurônios? Será que a idade biológica finalmente superou a idade real, e fiquei caduco?


Até alguns dias atrás, este assunto não me preocupava tanto... Porém, ao perder a minha camisa do título do time de futebol da faculdade, a coisa mudou de figura! Que acontece comigo?!


Bom, mas como sempre, há algo a se comemorar! Apesar de ter perdido tudo, até um tanto da minha dignidade (hehehehehehehe), encontrei coisas e pessoas que fazeram valer a pena tudo que aconteceu até agora, neste ano...


Entre achados e perdidos, por mais que os perdidos tenham trazido tristeza e complicações, fico ainda com os achados... Um brinde a tudo e todos os achados!!! Um deles, mais do que especial...


terça-feira, 17 de novembro de 2009

Um mundo complicado a ser descomplicado!

Este blog está bem desatualizado, por conta da correria do dia-a-dia, principalmente agora, no final do semestre... Provas, diários, trabalhos, chamados... Tudo ao mesmo tempo, agora!!!

Mas ainda sobra tempo para tentar ajudar os alunos, ouvir histórias, pensar no futuro... Enfim, tentar viver não só no "automático"...

E nessa de sair do "automático", lembrei de um vídeo que traduz um pouco disso tudo, mas que também é um dos desejos a se realizar... Quem sabe as coisas não se descomplicam? E se for o caso, eu ajudo a descomplicar...

video

"... de quem deixou a segurança do seu mundo/por amor... por amor..."

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Rumo ao desconhecido

Uma terrível sensação de medo. Uma possibilidade em um milhão das coisas darem errado. Uma semana que dizia que sim, tudo daria errado. Ou que não daria tempo de perceber as coisas dando errado, e quando desse, seria extremamente perceptível.
Lá fomos, seguindo a semana, em um mau-humor inexplicável, uma preguiça, uma intranqüilidade... Dar aulas nesta semana foi das tarefas mais inglórias... O desassossego já estava instalado...
E a semana foi acabando, chegando o dia... Um dia especial, mas que se anunciava esquisito... Por que não dava o real “frio na barriga”? Por que as coisas pareciam normais, mesmo não sendo?
Sábado de manhã. Aula de inglês. Mas não uma aula normal. Dia de prova. Se eu estudei? Tá de brincadeira, né... A quanto tempo não estudo de verdade? Ou melhor, já estudei mesmo, de verdade, pra algo? Bom, vamos lá... Prova tranqüila, alguns erros aqui, outros ali... Mesmo concentrado, a cabeça funcionava para outra coisa, outro evento... Cá estou ele, vivendo o momento!!!
O cartão de embarque apontava 15:50. O horário combinado, 14:00, em Guarulhos. Chegada pouco depois do combinado... E aqueles momentos intranqüilos foram passando... A novidade é uma coisa louca, que te dá uma sensação maluca, ou melhor, sensações malucas!!!
15:10! Embarque! Aquele corredorzinho que antes era só visto em filmes sendo atravessado... Lugar: 24B (parece piada de idade). Bem no meio, que droga... Bom, pra marinheiro de primeira viagem, talvez melhor... Uma demora descomunal para saída (para alguém que está um tanto quanto intranqüilo, isso é um grande problema), mas quando o “bicho” começa a dar seus “tremiliques”... Difícil não deixar escapar alguns palavrões (algumas dezenas, mas baixinho, a mãe ta do lado), mas vamos lá, não dá pra voltar atrás... Quando começa a subir, a sensação de não estar perto do chão é horrível!!! E pior ainda é olhar pela janela e ver o chão ficar cada vez mais distante... Cair daqui deve ser f... Passar nas nuvens é uma mescla de horripilante e fantástico... E, ao chegar acima das nuvens... POR QUE NÃO FIZ ISSO ANTES!!!

Upload 1: Caraca, dá pra ver a terra lá embaixo!!! As cidadezinhas pequenas, o mar... É o Google maps ao vivo e a cores!!! Ah, mas é alto pra cacete...

Upload 2: Turbulência é o caraho!!! Tomá no cu!!! (a mãe ta dormindo, agora pode)

Upload 3: Depois do momento cagaço, a paisagem lá embaixo é maravilhosa!!!

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

100%

Antes de qualquer coisa: 100 post!!! Até que durou este blog, viu... Eu mesmo não acreditava que seria possível tanto tempo... Parabéns, rapaz!!!

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Muita coisa aconteceu nos últimos dias... Tanto na semana passada, quanto nesta semana... Muito complicado não pensar, repensar, rever... Muitas coisas para refletir... E hoje não será o dia certo para isso, nem o local, nem o momento...

-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

RIO 2016!!! Essa foi uma boa surpresa do dia!!! Algo que mudou tudo aquilo que eu tinha pensado em escrever aqui!!!
Que seja, vou repensar tudo de novo, tentar ver as coisas de uma nova forma...
Londres 2012, Brasil 2014, Rio 2016!!! Que sequência esportiva...

terça-feira, 29 de setembro de 2009

A subversão do subvensor

Pensamentos e reflexões acerca de minha profissão...

A que ponto não chegamos a perversidade de vender a ilusão para pobres garotos e garotas, sem condições psicológicas, financeiras e familiares, de que com "algum estudo" eles vão "vencer na vida"?
Um amigo da faculdade me jogou uma questão no colo que foi interessante, e que ainda ecoa na minha cabeça: será que não somos apenas meros divulgadores e propagadores de uma ética e lógica capitalista, mesmo evocando aos quatro ventos que somos subversivos, e que estamos para fazê-los pensar, e blá blá blá? Pois exigimos silêncio, que respeitem o professor, que façam as lições, ou seja, tentamos a todo custo transformá-los em dóceis cordeirinhos, prontos a serem sugados pela máquina "adorável" e insáciável do capital. Será que é realmente possível uma subversão a partir (ou de dentro) do sistema?
Minha resposta foi a de tentar fazer a diferença para, nem que seja, pelo menos uma pessoa. Depois fiquei pensando nas duas coisas: a pergunta e a minha resposta. Eu realmente sempre acreditei nessa coisa de fazer a diferença, nem que seja para apenas uma pessoa. Sinto-me assim, inclusive. Por ter tido um F. D. P. lá no passado que encheu o saco, ou melhor, se esforçou para me ensinar algo, cá estou eu, formado (mais ou menos) pela USP, fazendo a segunda faculdade na mesma universidade em que milhares sonham um dia entrar, mas que poucos tem a capacidade de conseguir, com um emprego digno e garantido para o resto da vida... Mas, até que ponto eu apenas não me adequei ao sistema? Sim, pois agora persigo uma vida tranquila, a partir de um ideal burguês, de conquista material e de "acúmulo" cultural. Até que ponto o subversivo mantém seu ideal? Ou apenas se subverteu a uma posição de não-subversão? Que justifica suas ideias não com ações, mas apenas com teorias?
Ideias fixas deixando de sê-las... Pensamentos tomando movimento a partir da práxis... Interessante isso... To be continue

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Mini-twiter

Cansaço... Meu Deus, que semana é essa!!! Nem a Deus, nem ao Diabo... Ufa, ainda bem que está acabando...

Maldito facebook!!! Tá me deixando viciado!!! E me fez lembrar dessa "pipoca" de blog...

Falo demais de mim nesse lugar!!! Bom, o blog é meu mesmo, ninguém lê isso... Que se dane!!!

Não aguento mais miojo!!! Por que não chega logo o dia 30??? hahahahahahahahaha

Estréia nos ares marcada: 10/10!!! Me aguarde, Rio Grande do Sul!!! Beira-Rio, Parcão, entre outros... Logo menos, estarei por ai!!!


ps: Este teste só foi para comprovar que é uma merda escrever tão curto assim...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

pensamentos.com

Começou com um singelo www... Depois, veio um tal de e-mail@qualquer coisa... Dai, teve ICQ, sala de bate-papo, msn, orkut, blog... Agora, descobri um tal de Facebook!!! E isso não é o último na coisa: tem uma parada chamada twiter... É, a idade vai chegando mesmo... Bons tempos dos cabelos cumpridos e rock n' roll...
Meus alunos dormem na minha aula porque eu não acompanho a velocidade deles!!! Tá bom, eu sempre soube que a minha voz e meu jeito de falar dava sono, era muito lento, mas ai, de não acompanhar a velocidade dos meus "anjinhos", isso já é demais!!! Posso garantir que eu sou muito mais ligeiro que eles!!!

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x

Menu de hoje:

Prato principal - Miojo com Bife a Rolê
Bebida - Vinho tinto, Gran Tarapacá, Cabernet Sauvignon
Sobremesa - Doce de leite, direto do sul de Minas

Como diria um grande amigo: É preciso ter classe na miséria...

Eu, de volta... Sabe-se lá por quanto tempo...

Passando apenas para deixar recado

Homem trabalhando!!!


E estudando, saindo, conhecendo... Falta tempo, consumido vez ou outra por aquela ociosidade criativa (ou nem tanto) frente a tela do computador, ou as páginas de um livro, ou ainda (e pior), frente a um diário de escola...

Sono, muito sono... Insônia, as vezes...

Procure, talvez encontre... Algumas encontraram!!! Eu procuro também... As vezes acho, as vezes não... Importante tentar...

Vício, vício, vício... Estou tentando controlar... Difícil...

A conclusão foi tirada em uma "bicicletada" entre o local de estudo e o local de "descanso", que fica no meio, sempre, do local de ensino... Que talvez seja, mesmo, a vocação... Manter, então, já que faz bem... (se é bem feito, não sei, mas faz bem...)

Confuso... Bom, não pode atrapalhar... Homem trabalhando!!!

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Caleidoscópio reflexivo

Este mês de agosto está esquisito...
Primeiro, ele parecia que não era agosto, e sim um puro prolomgamento de julho, com umas "férias adicionais" devido a gripe suína. E, por conta disso, pude aproveitar ao máximo o tempo "ocioso": noites mal dormidas, livros a ler, vida cultural e social ativa...
Porém agora, com o fim do mês, com todo o dinheiro gasto nas "férias prolongadas", tenho a impressão de que o tempo não passa, que este será mais um "interminável agosto"... As aulas voltaram (no trabalho e na faculdade), o frio veio com força, a boemia voltou a hibernar...

Cada dia que eu ia deitar - madrugada adentro, ou manhãs mesmo - eu pensava comigo: preciso atualizar meu blog, essa noite merece um registro... Mas não tinha forças nem criatividade o bastante para chegar até aqui, tudo fruto do álcool, do cansaço, da preguiça... E ai os dias foram passando, as noites rolando, as madrugadas adentro, indo e indo... Ainda não estou afeiçoado 100% a esta ferramenta... Me dá vontade de escrever, de relatar, de divagar, mais ainda falta traquejo melhor... Quem sabe com a minha atual "voracidade" em ler não consigo melhorar um pouco minha escrita... Porém o tempo agora também será menor, devido a faculdade, o trabalho, entre outras coisas...

A solidão tem me acompanhado bem nestes últimos tempos... Não tem me machucado, e tem me feito bem, e ainda melhor: tem me dado perspectivas de realizações. Minha companhia tem sido alguns livros - devorei os quatro primeiros capitulos de "O Tempo e o Vento" do Érico Veríssimo, agora estou lendo um livro sobre a Boemia literária na Revolução Francesa, e tenho o restante da obra-prima do Veríssimo já no jeito pra terminar de devorar - a internet, meus pensamentos sobre o futuro, minhas idéias malucas de realizações... Já sofri muito com a solidão, ela já me machucou muito, e as vezes ainda faz um estrago danado quando ataca com tudo... Mas nossa convivência tem sido pacífica nos últimos tempos, temos nos dado bem, cada um respeitando o outro...

Muita coisa passa pela minha cabeça, mas cada vez está mais difícil de transformá-las em coisas a se fazer, ou em coisas a escrever... Creio que esta semana serviu para começar a tentar ligar o botão do automático... Será que as coisas vão andar? Uma coisa é certa: creio que o ponto principal foi atingido por esse período, ao conseguir me aproximar mais da minha real idade e a sensção e pensamento sobre a minha idade. Acho que finalmente estou me adequando a minha idade. Sempre me achei ou muito jovem, ou muito velho. A um bom tempo, sempre tive a impressão de um corpo muito jovem, mas um pensamento e sensação de ser mais velho. Agora, meus 29 anos estão me cabendo melhor... Alguns fantasmas que me rondavam já não me assombram tanto quanto antes... E já tenho uma firmeza maior do que quero, do que me permito fazer... Talvez o fato de ainda estar meio disperso no mundo e nas realizações ainda me deixava fora dos eixos, fora de um norte, sem um chão... Sim, sou jovem ainda, mas um adulto jovem. Um cara que tem coisas realizadas e a realizar, mas que pode aproveitar a vida, que tem muito pela frente ainda! Mesmo sem aquilo que a uns 15 anos atrás tinha como pensamento de vida, de realizações... As coisas mudam, ideias, ações, e tudo mais... Por quê não mudar também?!

Bom frio a todos

Eu, o autor dessa pipoca...

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Apenas um breve comentário

"Apenas duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Só tenho dúvidas quanto ao universo.” (Albert Einstein)

... e as férias continuam...

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Lado B em São João da Boa Vista

Caros

Após alguns problemas com minha internet, finalmente hoje tive acesso a grande rede, e pude começar a acompanhar os relatos e a repercusão de nossa viagem a Gordolfolândia. E preciso tentar relatar algumas palavras sobre o evento...
Contra tudo e contra todos, conseguimos nos organizar para a realização de mais dois amistosos do lado b, obra dos nossos muy amigos Rodolfo, Renan (o irmão putanheiro de nosso goleiro) e o Ruy (um rabiscador nato). Sofremos diversos revezes, seja por doença, seja por frescura, seja por falta de comunicação, mas mesmo assim, partimos em dez heróicos jogadores para o desafio futebolístico. Não sei dizer do carro do Portuga, mas o carro do Victão, na ida e na volta, foi um poço de cultura!!! As discussões "químicas" entre o Helder e o Miguel, os ensinamentos do Victão para o irmão do Pastor, e a sequência de frases do grande oráculo Charles fizeram a estrada ser pequena para tanto assunto...
Chegando em Gordolfolândia, tivemos noção do que é ser verdadeiramente profissional: a chacará alugada pelo Rodolfão para nossa estadia saiu melhor que a encomenda!!! Piscina, mini-campo de futebol, churrasqueira... Esquema perfeito para descansar e aproveitar a viagem!!! Quem não foi, já saiu perdendo desde agora... E, como tinhamos jogo no dia seguinte, iniciamos já a nossa preparação: cerveja, churrasco e, para os apreciadores, Miguel e Pastor começaram a trabalhar...
Dia seguinte, com os gritos de "floresta" do Pastor, acordamos todos e começamos a nos preparar para o jogo: pão com mortadela na padaria do "pula-pirata", piscina, bate-bola e, claro, cerveja... Chegando Rodolfo e irmão, partimos para o primeiro jogo, certos de que a parada ia ser duríssima... Ao chegarmos no campo (muito bom, diga-se de passagem), percebemos o quão organizados somos: ficamos esperando o adversário por cerca de 30 min... Porém, ao começar o jogo, vimos que só profissionalismo não dá vitória no futebol... Os caras, com a maior facilidade, foram fazendo um gol atrás do outro... Estivemos perdendo o jogo por 5 x 0!!! Mas ai, começamos aos poucos a nos arrumar, e no final do primeiro tempo, com um golaço do Victão, diminuimos a contagem. Com as cornetagens de sempre, arrumamos o time no intervalo, e partimos para o desafio de jogar bola e, ao menos diminuir o placar. Acertamos nossa defesa, o meio finalmente se arrumou, e daí começamos a dar condições para nosso ataque brilhar. E, aos poucos, começamos a dar forma a um dos maiores milagres do futebol: a virada espetacular para 7 x 5, com direito a gols do Victão e do Miguel (pasmem!!!). Demos um show de bola no adversário, e ainda ensinamos um pouco para eles (impedimento de lateral não existe!!!).
Com a vitória, a noite seria pequena para comemorarmos!!! Fomos a uma pizzaria recarregar as forças, beber nossos vinhos, e conhecer nossos adversários do dia seguinte, capitaniados pelo Landinho, o dono da pizzaria. E sofremos a primeira tentativa de derrota fora do campo: as pizzas eram maravilhosas, e nos empanturramos de comer... Que tática, hein Landinho... Saindo da pizzaria, fomos dar uma volta na cidade, e nisso percebemos que a noite ia ser longa... Que cidade florida!!! A partir dai, nosso grande amigo Ruy começou a trabalhar em prol da diversão do lado b. Arrumou tudo, e partimos para a chacará prontos para a festa!!!
Que noite!!! Churrasco, cerveja, vinho, vodca, música... Ah, amigo!!! Deixaram o lado b chegar, e ele chegou, sem preconceito nenhum!!! Nesta noite, o nosso amigo e advogado Victor Hugo foi rebatizado: Dirção!!! Sim amigos, ele tinha outro nome, e não sabiamos... Grande Dirção!!! Noite longa, mais divertida em cada segundo, em cada "integração" com a cidade... E como foi difícil dormir para jogar no outro dia...
Claro que o dia seguinte começou com o "floresta" do Pastor, música alta e piscina... E uma puta ressaca do dia anterior... Mas, com a chegada de Rodolfo e Ruy, o terror da mulherada Sãojoenense, as histórias da noite nos animaram, e partimos para o segundo desafio, com a cara, coragem e muita dor nas pernas... Chegamos com a antecedência de sempre, e nosso adversário, com o atraso de sempre... No organizamos e partimos pro jogo... Os caras eram bons, mandaram no jogo, saíram na frente do placar, mas conheceram toda a nossa superação, nossa correria, nosso suor, e com muita garra, viramos para 3 x 2, um jogo épico como o do dia anterior, com uma partidaça de nosso sistema defensivo, particularmente o Brunão, o Rodolfo e o Marião, que fez um ótimo segundo tempo...
Com o fim do jogo, nos despedimos do adversário, e partimos rumo a sub-sede do lado b em SJBV, para pegar nossas coisas e cair na estrada... Despedidas e agradecimentos de praxe aos nossos amigos nativos, caimos na estrada de volta para São Paulo com algumas certezas: 1º valeu a pena cada segundo vivido desde sexta-feira; 2º eram os caras certos, na hora certa; 3º em um moento desse podemos ver quem são os caras que estão lado a lado, ombro a ombro... superação e amizade sempre; 4º cornetar é uma arte; 5º vale a pena andar conosco; 6º SJBV não perde por esperar a nossa volta...

Abraços a todos

Bruno "Juds"

quinta-feira, 30 de julho de 2009

NOTÍCIAS RÁPIDAS (ou nem tanto...)!!!

Férias escolares no município de São Paulo estendidas até o dia 17/08, por conta da gripe suína!!!

É amigos, o Palmeiras avança no campeonato, e a "febre verde" vai contaminado cada vez mais pessoas... Por conta dos palestrinos, passaremos mais tempo de "folga"... Bom agora, pois posso aproveitar mais duas semanas de descanso, mas com certeza sofreremos (eu, alunos, e muitas outras pessoas) as consequências disso no futuro, com reposições e mais reposições até o final do ano... Podem esperar provas de história no dia 25/12, e recuperação no dia 31/12...


César Cielo campeão mundial dos 100 livre, no mundial de esportes aquáticos de Roma!!!

Caraca, o cara é demais!!! Uma máquina!!! Mais uma vez pude gritar e comemorar uma vitória brasileira!!! E não sou daqueles brasileiros que apenas estão "orgulhosos" nos momentos grandiosos, até pelo curso que estudo atualmente (Esporte), busco acompanhar sempre. Logicamente destacamos sempre as grandes conquistas... Ah, e ouvir o hino brasileiro é sempre bom... E daí que ele faz parte de uma ideia de construção de nação? Que ele é fruto de combinações complicadíssimas de frases, e que muitos de nós não fazemos a mínima ideia do que está sendo falado? O hino é lindo, mexe comigo, me faz sentir que sim, nós podemos (assim mesmo, em português!!!), e que merecemos. Não interessa quem está lá, como ele chegou até lá... É Brasil, velho!!!


Escrete do LADO B da FFLCH terá dois amistosos na distinta cidade de São João da Boa Vista!!!

Pois é, este time que encantou o mundo, com jogadores da mais alta qualidade renasceu, e terá dois jogos nos quais a sua condição de "seleção dos sonhos" será novamente posta em prova. Coitados dos adversários, que vão sofrer nas mãos e nos pés dos craques de todos os tempos da FFLCH!!! Quem viver, verá!!!


upload: este blog passará por algumas revisões, e provavelmente sofrerá algumas mudanças em seu layout nos próximos dias... sugestões serão aceitas...

Portas abertas a percepção

Sempre pensei que diversas músicas conseguem traduzir, com certo lirísmo e riqueza de sensações, muita das coisas que pensamos, sentimos e fazemos em nossa vida. Eis aqui, inclusive, um dos motivos de eu não me "aventurar" no campo da poesia, e me reservar o direito de achar que a poesia tem de ficar restrita aos poetas e aos românticos. Apesar de ser geminiano, o que me incute uma personalidade inconstante, as vezes dúbia, sou um cara mais ligado ao senso prático, usual.

Porém, a ideia aqui é pensar um pouco líricamente, o que acaba sendo uma constante neste blog. As músicas, em um sentido prático, traduzem melhor aquilo que penso e sinto, e meu objetivo é dividir um pouco isso com quem quer que leia este blog. Talvez as sensações suscitadas sejam distintas, e as motivações para tais sensações seja diferentes. As músicas não são privilégios meus, são apenas dicas a partir de momentos e sentimentos vividos por este interlocutor, o qual não é tão bom na questão da interatividade com os (poucos) leitores.

Leiam, depois ouçam e leiam ao mesmo tempo esta música. Pensem nas sensações que ela pode trazer, pelo lirísmo, pela musicalidade... Ou por qualquer outro aspecto artístico que seja conveniente. Com certeza, algumas sensações serão parecidas das minhas, outras completamente distintas. E, se por algum motivo, surgir a vontade de debater sobre tais sensações, comente...



Não é fácil
Não pensar em você
Não é fácil
É estranho
Não te contar meus planos
Não te encontrar

Todo dia de manhã
Enquanto tomo meu café amargo
É, ainda boto fé
De um dia te ter ao meu lado

Na verdade eu preciso aprender
Não é fácil, não é fácil

Onde você anda
Onde está você
Toda vez que saio
Me preparo pra talvez te ver

Na verdade eu preciso esquecer
Não é fácil, não é fácil

Todo dia de manhã
Enquanto tomo meu café amargo
É, ainda boto fé
De um dia te ter ao meu lado

O que eu faço
O que posso fazer?
Não é fácil
Não é fácil

Se você quisesse ia ser tão legal
Acho que eu seria mais feliz
Do que qualquer mortal

Na verdade não consigo esquecer
Não é fácil
É estranho

O Autor, com uma maravilhosa contribuição de Marisa Monte e uma mãozinha de Maria Rita...

Ode a amizade e ao desconhecido...

Podem parecer coisas dissonantes, mas nos últimos tempos, posso dizer, com tranquilidade, que ambos estão em um pé de igualdade, que podem caminhar juntos, sossegadamente...

Ultimamente, pude pensar em várias coisas, e conviver com diversas pessoas diferentes. Conhecer pessoas diferentes, com outros pensamentos e histórias de vida...

Entretanto, tive a oportunidade de ter contato com pessoas a muito conhecidas, mas que passaram por experiências distintas, que distanciam, mas ao mesmo tempo aproximam, pela história de vida (engraçado, não é...).

Bom ter esta oportunidade, pois ao mesmo tempo que laços de amizade são fortalecidos, é um mergulho profundo rumo ao desconhecido, a novas possibilidades de conversas e pessoas, e coisas novas a se fazer, em se pensar...

E por quê se fechar a coisas legais e bacanas que podem acontecer? O mundo poder ser demasiado grande para tê-lo em minhas mãos, mas meus ouvidos podem parar por alguns momentos para dar conta de tentar perceber o que está em nossa volta...

Vive le France!!! Vive la diferance!!! (se a escrita estiver errado, dane-se... eu não sei francês mesmo...). Que os amigos vindos do velho mundo sejam bem-vindos, com suas experiências, com suas novidades, mas com a velha "amizade latina-americana"!!! E que estas experiências vividas ao longo deste período de convivência possa auxiliar nos próximos passos...

Muchas Gracias...

terça-feira, 28 de julho de 2009

Encontros e despedidas

Um clima incômodo... Lembra os campos gaúchos, descritos com maestria por Érico Veríssimo em o Tempo e o Vento... Sinto-me lá, em pendengas, com a adaga nas mãos, estirpando algum castelhano que ousara adentrar em terras continentinas...

Sim, mas falavamos do clima... De como ele incomoda, de como ele nos traz uma vontade de não fazer nada... De apenas ficar sob cobertas...

Não, não estou mais em minha cama. Estou na estrada, ganhando vida, sofrendo com o castigo veemente do frio, que teima em passear por minha face, já rosada de tanto assanho da brisa com minha pele... Por pior que esteja, tenho de ficar com a mão fora do bolso... Se não acenar, não pedir, a carona não vai acontecer... Aqui é Brasil, amigos... As pessoas são ressabiadas, não oferecem carona a qualquer um na estrada... É perigoso, ainda mais a um ser sozinho, todo encapotado...

É bom andar, ver a estrada longínqua, me mostrando um caminho a ser desbravado, aguardando a curiosidade, sem impor limites, apenas duvidando: "você é capaz?"

Ela? Bom, talvez ela esteja lá... Será que ela me espera? Com este tempo exdrúxulo, com essa animação que leva qualquer um a depressão... É difícil, mas não vou por ela... Se ela lá estiver, quem sabe algo pode acontecer? Mas por quê esperar? Apenas vou... Se não estiver, outras mulheres de Atenas lá vou encontrar... Lindas, serenas e morenas!!!

Quase enlouqueci! Quilômetros e mais quilômetros... Horas e horas sem carona, sem carros, sem a luz do sol, sem palavras em voz alta de outro ser... Apenas ouço meus pensamentos, que confunde a realidade... O que é realidade? Quase enlouqueci... Quase? Ela... Eu... Caminho... Olhos nos olhos... Ei!!! Mas sem você, eu passo bem demais (será?)... Me pego cantando, sozinho... Tento me enganar um pouco... Como é linda essa paisagem!!! Mesmo sem ninguém do lado, divido com o mundo essa visão... Mesmo sem sol, deixo alguns raios me atingirem, tentarem aquecer meu rosto gélido...

segunda-feira, 27 de julho de 2009

The day i tried to live

A escrita, muitas vezes, é a companhia perfeita para os solitários, melancólicos, românticos, abandonados, entre outros... Talvez me sinta um pouco assim para ter me postado frente ao computador e ter disparado a escrever... Um pouco motivado musicalmente por músicas de 15 anos atrás, quando tinha mais ou menos esta idade (ah, meus 15 anos), e passava por alguns dos mesmos "problemas", porém sob uma diferente ótica, de como eles surgiram e como resolvê-los. Além disso, a independência ainda era algo inatingível, um sonho a ser conquistado...

Talvez o que seja estranho em tudo isso seja a tranquilidade que tenha se abatido sobre minha pessoa e minha vida. Fazer por que? Já está tudo encaminhado... Para que se preocupar? Basta esperar o santo dia do faz-me-rir mensal, pagar as devidas contas, ser o bom moço da mamãe, e aproveitar um pouco a "Babilônia" proporcionada pelo vil metal... Realizar o que? Para que? Para quem?

Engraçado como, de repente, tal desilusão se abate sobre mim... Um momento tão esperado, tão sonhado... Mas é complicado não saber o que fazer, ter mais de um rumo, mais de uma escolha... Sinto-me como uma pedra, que fica parada, ao sabor da vida e das pessoas, podendo ser chutada a qualquer momento...

Engraçado, no meio disso tudo, lí umas coisas a respeito do meu horóscopo (malditas férias)... Olha só... Uma pessoa que se reparte em duas: uma reponsável, segura, que sabe o que quer e tem os pés no chão; outra, completamente no ar, perdido, sem estabilidade, sonhador... Interessante como se encaixa... Como o tudo e o nada estão presentes na mesma pessoa... É como se olhar no espelho e ver mais de uma pessoa ali, mesmo estando apenas aquela sua cara feia, te encarando e falando "e dai que você está me olhando..."

Maldito relógio, que me encara com seu infernal tic-tac, me dizendo que as horas já estão avançadas, que o sono deveria estar me consumindo (lentamente ele faz o seu serviço)... Porém, ao olhar o relógio, me pergunto: por que ele me faz ter a impressão de que apenas as horas estão passando, quando tenho, dentro de mim, a certeza de que são os anos que passaram a galope, e que, quando percebi, já estava por aqui?

Mas será isso verdade? Ou apenas uma ilusão proporcionada pelo momento, pelo cansaço, pelas desilusões, e por toda uma elocubração melancólica de uma personalidade facilmente afetada pelo pessimismo? Quantas coisas passaram, quantas realizações, por menores que possam parecer, foram conquistadas? Logicamente não foram as respostas necessárias, não deram o caminho exato... Mas não pode ser menosprezado, não pode ser feita tábula rasa de tudo que se passou... Por menos que possa parecer...

Preciso descansar minha alma... A cobrança (um dos post's anteriores), a insônia (o mais recente, antes desse) estão me consumindo... Queimando meus neurônios (?), me deixando insanamente perigoso... Para a sociedade, para eu mesmo... Quanta loucura...

Boa noite... Ou já seria bom dia?

Insônia

Como posso?

Sinto-me em um momento crucial... Decisões a serem tomadas, coisas a serem feitas... E, de certa forma, estou de volta aos meus 15 anos... Parece que simplesmente acordei em um dia negro, com o céu pesado sobre mim...

Sim, este blog é, em diversas vezes intimista... É a busca da compreensão sobre mim, e sobre as pessoas... As que me cercam, as que estão longe... Pessoas... Umas precisam das outras... Eu preciso delas, mesmo as achando burras, ignorantes, seres desprezíveis... Que há de se fazer...

Imagens e pensamentos complexos, confundindo a cabeça, deixando-me desnorteado, no meio de um deserto, no qual ela me persegue...

Confuzo? Não tente entender... Delírios de uma noite, uma semana, de uma vida mal dormida...

(Soundgarden margeando minha percepção caleidoscópica)

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Ah, as férias

Ah, as férias... Nada a se fazer... Literalmente!!!

A muito tempo que não tenho feito muita coisa de interessante nas minhas férias, exceto neste início de ano, com uma das melhores viagens que poderia ter feito... Entretanto, o mês de julho é sempre um problema... Falta de dinheiro, falta de coisas a serem feitas, falta de sorte...

Nos últimos tempos, minhas "férias" de julho ficam resumidas a cervejas, futebol, noites mal dormidas, mas uma sensação de insatisfação, pelo fato de não cair na estrada, e ficar muito tempo ocioso em casa, passando frio, sozinho...

Arrumar o que fazer não é difícil... O problema é arrumar companhia para fazer as coisas que gostaria de fazer... Todos trabalham, ou fazem outras coisas, e não podem fazer nada de legal e bacana... tsc tsc tsc

Cobranças

A algum tempo, venho sendo cobrado para voltar a postar textos por aqui. Seja por seguidores, por fãs (hehehehehehe... fã tá de brincadeira), por pessoas que querem cornetar, pura e simplesmente...

Porém, faltava inspiração, vontade, tempo (?), entre outros fatores... A relação entre cobrança x fazer algo ainda estava pendendo para o segundo. Mas hoje, finalmente pendeu para o primeiro. E justamente pela cobrança, que virou tema...

A partir dessas cobranças, comecei a pensar nas cobranças do dia-a-dia: contas a pagar, coisas a fazer, o chefe enchendo o saco, as compras do mercado, a mulher (ou namorada), a sogra, os amigos, o time do coração, o garçom, a sociedade... São tantas cobranças que parece que vivemos apenas para elas, e não para nós mesmos...

Isso sem contar nossas próprias cobranças, refentes a coisas pequenas que fazemos ou sofremos todos os dias, a cada minuto. Por que nos cobramos tanto? Por que temos de ser perfeitos, e fazer coisas perfeitas?

Por que cobrar? Não vai ser perfeito mesmo...

Por isso, não me cobrem... Apenas esperem, as coisas saem, são pagas... Fiquem tranquilos!!!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Pensamentos líricos

Sempre estive ao seu lado
Me diga agora se estou errado
Você me ama, isso eu sei
Mas me deixou sem ter porque

Você pode inventar mil desculpas
Mas meu bem você já é bem adulta
Pra ficar comigo

Nos momentos que deitamos
Eu me lembro foram muitos planos
Agora vejo tudo desmoronar
Abro meus olhos você não está

Meus sentidos estão todos a mil
No meu carro tem um banco vazio

Vem ficar comigo
Sem mais demora
Pra ficar comigo
De vez

E você tem que se decidir
E parar de me confundir

Trabalho muito, o dia todo
No fim do mês não me sobra um troco
Mas sem dinheiro sei que posso viver
Sem você eu não sei

Meus sentidos estão todos a mil
No meu carro tem um banco vazio

Vem ficar comigo
Sem mais demora
Pra ficar comigo
De vez

E você tem que se decidir
E parar de me confundir

Vem ficar comigo
Sem mais demora
Pra ficar comigo
De vez

Manhã, chuva, insônia, internet e ideias lentas, mês de julho, frio, gripe suína...

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Devaneios

Fico distante uns tempos daqui...

Muitas vezes, a inspiração não falta, nem os pedidos para que algo seja escrito...

O que falta mesmo é a vontade...

Abro o blog, faço login, abro a caixa de postagem...

Mas este espaço em branco muitas vezes me incomoda...

Preenche-lo as vezes é mais difícil do que preencher meus pensamentos...

As vezes, preciso invocar minha musa inspiradora, para poder escrever algo, para fazer o que me é solicitado...

Musa?! Ah, as musas inspiradoras de poetas, escritores, músicos...

Será que eu posso me dar esse luxo?!

Bom, se me ajuda a escrever...

Se me faz ter três pontos, sempre...

Por que não?


Pseudo-escritor

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Envelheço na cidade

"Filho meu desejo era te parabenizar logo cedinho no dia 19, mas como não será possível; receba meus parabéns adiantado...
Te amo e peço a Deus que vc seja envolvido por Ele com muito amor, que seu caminho seja de alegrias e grandes realizações!
Você é especial, não por ser meu filho, mas por ser alguém que veio para vencer a si mesmo e no mundo.
Obrigada por fazer parte da minha vida!
Ser sua mãe me enche de orgulho... rapaz bonito, carismatico, inteligente, pilantra digo sedutor, professor,bom coração, educado etc etc...
que mais eu posso te dizer além de FELIZ ANIVERSÁRIO
CLARO: venha comemorar conosco
BEIJOS"


BOM DIA

HOJE É SEU DIA

PARABÉNS, PARABÉNS, PARABÉNS

QUE ESTA DATA SE REPITA POR... POR...

... O TEMPO NECESSÁRIO PARA VOCÊ CONSTRUIR SUA FELICIDADE E DESFRUTÁ-LA,

CLARO! NÓS TE AMAMOS!!!

EU JÁ DISSE PARABÉNS?

NÃO?

ENTÃO... PARABÉNS!!!

BEIJOS

Cleide e família trololó


Autoria: A autora deste autor

terça-feira, 9 de junho de 2009

Um domingo interminável

Este post foi uma das encomendas mais instigantes e trabalhosas dos últimos tempos! Difícil pensar e fazer, informações demais, algumas desencontradas devido o excesso de álcool das personagens... Entretanto, a saída deste foi dar apenas uma "sobrevoada" nos fatos relatados...
Pois bem... Preparem-se, leiam, e reflitam...


"Oi, linda

Durante todo o tempo que passamos juntos no domingo, tentei refletir sobre cada coisa que aconteceu. Juro que tentei até decorar umas falas da peça das meninas, mas depois de vocês terem destruido a peça delas, até fiquei com vergonha de repetir algo...

Valeu cada segundo que passamos juntos! Profundo, intenso, divertido. Pensei em escrever, mas vim pensando na volta que talvez alguém já tivesse escrito algo sobre tudo que rolou ontem. Daí peguei estas duas coisas:

É necessário estar sempre bêbado.
Tudo se reduz a isso; eis o único problema.
Para não sentirdes o horrível fardo do Tempo, que vos abate e vos faz pender para a terra, é preciso que vos embriagueis sem cessar.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, a vossa escolha.
Contanto que vos embriagueis.
E, se algumas vezes, nos degraus de um palácio, na verde relva de um fosso, na desolada solidão do vosso quarto, despertardes, com a embriaguez já atenuada ou desaparecida, perguntai ao vento, à onda, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo o que foge, a tudo o que geme, a tudo o que rola, a tudo o que canta, a tudo o que fala, perguntai-lhes que horas são; e o vento, e a vaga, e a estrela, e o pássaro, e o relógio, hão de vos responder: É hora de se embriagar!
Para não serdes os martirizados escravos do Tempo, embriagai-vos; embriagai-vos sem tréguas!
De vinho, de poesia ou de virtude, a vossa escolha.
(Baudelair)


NÃO VÁ EMBORA

E no meio de tanta gente eu encontrei você
Entre tanta gente chata sem nenhuma graça, você veio
E eu que pensava que não ia me apaixonar
Nunca mais na vida

Eu podia ficar feio só perdido
Mas com você eu fico muito mais bonito
Mais esperto
E podia estar tudo agora dando errado pra mim
Mas com você dá certo

Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais
Por isso não vá, não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais

Eu podia estar sofrendo caído por aí
Mas com você eu fico muito mais feliz
Mais desperto
Eu podia estar agora sem você
Mas eu não quero, não quero

Por isso não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais
Por isso não vá, não vá embora
Por isso não me deixe nunca nunca mais


O melhor de tudo é que, diferente de muita gente que eu já conheci, nada é forçado, ou artificial. A conversa, os beijos, os abraços, as mãos dadas... Seja andando, sentados numa mesa de bar ou assistindo a peça das meninas. As coisas acontecem naturalmente, e isso é o que me dá mais vontade de estar contigo. Nossa, me lembrei de uma coisa:

"... Nenhum perguntou nada que se referisse ao passado, porque ainda não havia passado; ambos estavam no presente, as horas tinham parado, tão instantâneas e tão fixas, que pareciam haver sido ensaiadas na véspera para esta representação única e interminável. Todos os relógios da cidade e do mundo quebraram discretamente as cordas, e todos os relojoeiros trocaram de ofício. Adeus, velho lago de Lamartine! Evaristo e Mariana tinham ancorado no oceano dos tempos."

Sim, isso é inspirador... Vamos dividir esta inspiração?"

O autor, Baudelaire, Marisa Monte, Arnaldo Antunes e Machado de Assis

domingo, 7 de junho de 2009

Uma breve confusão contraditória

As últimas "encomendas" de post's me intrigaram um pouco...

O romantismo invadiu este, e criou uma certa instabilidade realista. Teria este perdido o rumo da realidade objetiva, a qual se propõe?

Mas eis que o autor lembrou-se: contradição, amigo! Isto é o motor de tudo isso! Pense, meu caro, na dialética hegeliana. Tese, antítese e síntese. As contradições movem o mundo, meu caro. Não se incomode com isso, não perca o rumo com questionamentos internos e externos. É essa a ideia, não é? Se tudo se encaixa perfeitamente, a contradição não existe, tudo é explicado. E isto não é real! Ou a ciência a tudo explica? Não, companheiro... Contradição, não tenha medo dela!

Sabe, isso deu tranquilidade a este... Permitiu dar um tanto quanto de romantismo a vida, de respirar um pouco de ares (gelados) de paixão... Uma paixão concreta, se isso é possível (ah, um viva a contradição).

E manteve, ainda, um certo ceticismo... Ceticismo quanto a perfeição das coisas, do encaixe perfeito, da sensação de preenchimento da alma com algo que os homens não sabem exatamente explicar: o amor.

Os poetas se embebedam dele, escrevem coisas maravilhosas, fantásticas, mas irreais... Criam sensações reconfortantes, apaixonantes, mas não estão buscando respostas, ou grandes construções... Fazem apenas como o autor: escrevem, tão só. Dão vazão ao que pensam, ou em vezes, o que sentem, através da escrita. Mas quem garante que as palavras são ou significam exatamente o que representam?

Longe deste também explicar o que querem, ou o que são, ou ainda o que representam os arautos da paixão nas letras. Apenas penso sobre a possibilidade deste, tal como aqueles, viver pela contradição... Eles, entre paixão vs realidade. Este, realidade vs paixão, ou romantismo.

Ah, a reflexão... O que seria deste, ou da contradição, sem a bendita (ou maldita) reflexão...

Confuso? Também achei... Que há de se fazer? As ideias vem, e acabam transformando-se em letras, palavras... Faço apenas o que é encomendado...

O autor

Uma semana para o fim do mundo

Alguns podem perguntar: "por que um post dedicado ao CPM22 neste blog? Teria o autor enloquecido? Diminuido ainda mais a sua idade mental?"

Não, caros amigos. Este que vos escreve não teve nenhum destes devaneios, ou rompantes adolescentes. Sem problemas com os que gostam de tal banda, antes de qualquer coisa! Inclusive, só sei do nome da música porque a tenho em meu iTunes... Mas apenas ela!

Digo isso porque tal semana, que para alguns serve como uma benção divina, por ser menor em sua rotina diária, será mais uma das loucuras as quais sempre este se mete. Feriado, ok? Viagens, ok? Amigos, ok? Descanso, ok? Bom, este último não...

Pela 4ª vez em quatro anos, estará este em um evento esportivo denominado JUCA, os Jogos Universitários de Comunicações e Artes... Descansar pra que? Dormir pra que? Ter os tímpanos saudáveis pra que?

Trabalho, trabalho, trabalho, trabalho... Mais um feriado no qual isto será a tônica de cada minuto, de cada hora, de cada dia. Ralar como louco para que outros possam se divertir... E quem sabe, se divertir um pouco... Pois ver as asneiras que fazem nos jogos, as reuniões estapafúrdias que parecem intermináveis, mas ainda ter alguns momentos com pessoas bacanas que vão trabalhar ainda está valendo a pena... Sem contar o $$$ que entra, sempre bem-vindo...

Mas sabe... Começo a entender algumas pessoas, que lá nos idos de 2005, quando comecei nesta loucura de trabalho "servil" nos feriados, diziam que não aguentavam mais, que aquilo não era vida, e que isso e aquilo... Saca, é péssimo você não ter liberdade de fazer outras coisas, de poder fazer apenas o que você quer em um feriado... Poxa, seria tão bom pegar a estrada para apenas me divertir...

Entretanto, me lembro de um dos porquês de estar nessa vida a tanto tempo: a amizade! Porque, quando comecei nessa, o parceiro que me deu a chance de trabalhar nisso confiou, acreditou, e me fez dele um parceiro, um cara que ajuda e é pau pra toda obra. Ultimamente, esta parceria está mais distante, por conta de objetivos outros, e até de circunstâncias pessoais e profissionais deste. Mas sempre que vai chegando um feriado, a lembrança dessa parceria sempre vem. E todos já me reconhecem como "o cara dos eventos", o cara com quem tem que se falar para ter um trampo de "grana fácil"... E sempre penso, não só em uma questão profissional, nem apenas em uma relação de poder ("eu sou o cara"), mas também, em um agradecimento. Sou grato pelo parceiro, pelo cara que, de certa forma, confia e põe a mão no fogo por mim!

E por isso temos uma semana para o fim do mundo. Porque as coisas em São Paulo não vão parar, as provas na faculdade vão estar me esperando, as provas dos meus alunos também, meus diários, e todas as outras coisas chatas e burocráticas da rotina... Mas esta semana é diferente, é especial: esta semana, este aqui para com as outras coisas, e tem o mundo terminando na quarta. Passa para uma outra dimensão!!!

Que assim seja...

O autor

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Sonho de uma noite de inverno

Sim, te procurei a muito tempo...

Passou-se muita coisa, muitas experiências vividas, muitas decepções, muitas alegrias, mas faltava algo...

Sim, faltava você!!! Aquela que iria trazer o algo a mais, a diferença, a graça da vida...

Por que isso? Como assim, a graça da vida?

Entenda, que graça tem a vida se não há como sair da rotina? Se o seu dia-a-dia fica restrito as mesmas ações, as mesmas coisas, as mesmas pessoas?

Nenhuma... As coisas seguiam, apenas... As vezes, divertidas, mas sempre com a sensação de que algo (ou alguém) faltava...

E você veio, adocicou minha vida, trouxe uma nova possibilidade...

Poesia? Quem sabe...

Posso me dar ao luxo de um Neruda, ou um Vinícius de vez em quando... Tudo vale a pena quando a alma (ou o que se pode ter) não é pequena (ou pouco)!!!

Sabe, o melhor é ver teu sorriso, ter o teu papo... E isso numa mesa de bar, numa escola na periferia de São Paulo, ou num teatro paulistano...

Que importa o lugar? Importa você, importa eu estar lá desfrutando de cada momento, de ter a chance de ver cada pintinha do seu rosto, trocar olhares, ideias, sentimentos, beijos...

Estou disposto!!! Estudamos juntos, viajamos juntos, sonhamos juntos, realizamos juntos!!! Seja em São Paulo, Rio de Janeiro, Buenos Aires, ou em qualquer lugar do mundo!!! Se você estiver lá, quero estar também!!!


Hum... Quê?! Já está na hora de acordar? Ok, ok, já estou indo... Tive um sonho muito louco, mas um sonho muito bom... Sonhei que tava falando umas coisas... Sei lá, meio malucas, meio fora do que ando fazendo e pensando ultimamente... Umas coisas meio poéticas, meio românticas... Será que um dia uma coisa dessas vai acontecer? Seria legal... Bom, vou indo...

Aonde vou? Bom, vou perguntar pra ela... Pra garota dos meus sonhos...

O autor

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Quem bate? É o...

Frio, muito frio!!!
E mais frio me espera...
Bom, mas tem tempo ainda, e coisas acontecem nesse meio tempo...
Muita arte, muita poesia, muito amor... Para quem puder!!! Faculdade, trabalho... Isso consome tanto...
E ainda tem esse frio, que me impede (através da preguiça) de fazer outras coisas, de realizar outras atividades (lúdicas, etílicas, entre outras)...
E, para dar um incremento maior, tem ainda o fato deste mês ser o de cumprir mais um ano nesta longa estrada da vida... Cada vez mais números associados a minha idade... Poxa...
E o frio... Hora de buscar algo ou alguém para me esquentar, para diminuir esta sensação térmica que tanto incomoda...
E alunos, e provas, e trabalhos... Não sei se tenho tanto pique para isso... Chega uma hora que "dá no saco" tudo isso... Vontade de ficar em casa, debaixo da coberta, acompanhado de um bom vinho, um bom queijo, uma boa companhia... Quem sabe uma boa música, para dançar... Ou que seja apenas um algo a mais em uma noite fria... Ah, o frio...
Resfriado, como sempre, me vejo jogado na minha cama, computador sobre mim, coletânia de vídeos do Megadeth, algumas conversas "educativas" no msn... Tudo para dar sono e enganar o frio... Uma forma também de escrever algo em um dia corrido... Uma forma de desestressar e praticar um pouco a escrita... Quebrar um pouco do gelo...

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Machadiana

Sabe, hoje eu estava com vontade de escrever várias coisas: sobre o final de semana, sobre várias coisas que aconteceram no dia de hoje (contradições várias), sobre uns paradoxos incríveis que passaram pela minha cabeça... Mas, aos poucos, essa vontade foi passando... E, ao sentar de fronte ao teclado e a tela, ficou apenas um "dever" de escrever algo, já que a tela da postagem já estava aberta...
Dai veio a ideia de escrever apenas algumas palavras, que talvez passem pelos três assuntos e que me motivaram a escrever alguma coisa:

Segurança Felicidade Novidade Reflexão Trabalho Esperança Amizade Desejo Vício

Não gostei nada deste post... Se não quiserem ler, façam-no... Não vai ser uma grande perda na vida de vocês...

O autor (fortemente influenciado por Machado de Assis)

domingo, 31 de maio de 2009

Conversas, trilhas e rumos

- Passaporte? Não, não precisa...
- O RG? Pode deixar, vou colocar ele em dia...
- Sim, está certo, não vai furar, todo mês estará lá, na sua conta (acretitou, hehehehe)...
- Ah, cuidado com a bagagem... 23 ou 24 quilos, eu acho... Depois eu vejo...
- Blusas, cachecol, toca... Mas não exagera, cáspita!!!
- Claro, o vinho vai dar uma aquecida...
- Ainda estou vendo um roteiro, mas o lugar para ficar já está meio que definido...
- Lógico, não quero ficar longe do que está acontecendo...
- Dormir?! Tá de brincadeira...
- Meu, pensando assim, é pouco tempo, mas pensando nas coisas que vão rolar...
- Ah, meu, é tempo pra caramba!!!
- O medo é até não ter mais o que fazer...
- Ah, com certeza, lá se arranja...
- Pena que não dá pra dar uma passada lá... Mas ele entendeu, não é por mal...
- Dei um toque que vou lá numa próxima, oportunidades não vão faltar...
- É verdade, ele está ocupado... hehehehe
- Ela?! Nossa, tá vibrando!!!
- Era tudo que ela queria!!!
- Super orgulhosa...
- Ah, contando os dias...
- Quando não estou muito ocupado, é só no que penso...
- Ah, pode deixar que te deixo a par de tudo, cada passo, cada coisa...
- Bom, deixa eu ir nessa...
- Valeu...
- Abração!!!

Saturday night live

Estive pensando um pouco nas últimas postagens deste blog...
Pensando sobre minhas palavras, e no que estava pensando quando as escrevi...
E percebo o quanto a impulsividade ainda move comigo...
Porém, uma impoulsividade consciente, sem deixar apenas a raiva, a arrogância, ou outros sentimentos similares dominar minha fala...
Sim, pois tenho plena consciência do que falo, do que quero, e domino aquilo que penso...
Posso pensar muitas coisas inúteis, em um primeiro momento, mas que aos poucos ganham forma, tomam corpo, ganham conteúdo...
Minhas ações são sempre muito bem direcionadas... Tive de aprender a fazer isso, depois de tanta coisa ruim que me aconteceu, e que acabei fazendo para outras pessoas... Direta ou indiretamente...
Creio escrever aqui como uma forma de apenas praticar uma reflexão "falada", com um objetivo pré-determinado, porém interiorizado e guardado apenas para mim, mesmo sendo a internet um lugar "público" (aqui, a confusão entre o público e o privado é muito grande)...
Porém existe uma coisa na internet que me incomoda muito: o anonimato!!!
Ainda sou do tempo de que pessoas, para conversar com outras pessoas, estavam frente a frente, observando a fala, para que palavras não fossem somente palavras, e que a sua "interpretação" não corressem tantos riscos...
Sim, pois aqui nós não podemos ter a completa noção da dose de ironia, sarcasmo, entre outros atibutos da comunicação mais "direta"...
Ainda estou aprendendo a mexer com essa ferramenta, mas sei exatamente o que quero dela, e o que quero falar "com ela"...

Bom, apenas um reflexo de uma tarde estressante de arrumação de softwares de música, fotos, office que não funciona... Mas de um bendito iTunes, que me poupou, ao menos, um século de trabalho na identificação de, pelo menos, umas mil músicas!!!

Grande abraço a todos, continuem sintonizados, e preparem-se... Estou começando a ficar cada vez mais viciado!!!

O autor

sábado, 30 de maio de 2009

Carta aberta aos anonimos do meu Brasil varonil

Ao fazerem comentários sobre meus post's, tenham em mente o texto logo abaixo do "Decifra-te ou devoro-te", pois coisas deste blog podem ser fantasiosas... Ou não...
Ao participar do meu dia-a-dia, é possível entender o porquê de minha fala subjetivamente objetiva neste blog. A vontade não é desmascarar tudo exatamente como acontece, e sim apenas refletir sobre coisas que passam pela cabeça, não sendo necessariamente tudo parte do real, ou do consciente... Muitas vezes, o sub-consciente age, e eu deixo ele agir, pois me divirto com ele...
Racionalizo romanticamente, independente da beleza do que está escrito, ou da aprovação de outros! Cazuza, Edith Piaf, entre outros... Até Pearl Jam pode ser cliche e romântico... Mas, e se eu não quiser? Pode não ser também...
Nego, desconstruo, para depois reconstruir, a meu bel prazer... Posso e consigo fazer isso sem nenhum problema, com toda a "arrogância" do mundo!!!
E eu não sei dançar... Mas existem sempre pessoas interessadas em me ensinar, mas só danço com quem eu conheço!!!
Não acompanhem meu blog para aprovar ou desaprovar o que faço ou penso. Leia, se for de seu interesse, e, se puder, faça comentários decentes, e não uma leitura "horoscopária" do escrito... Não quero tratar com advinhos(as), nem coisa do tipo...

Atenciosamente

O autor

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Dança comigo

Pois é...
Alguns pontos (ou seriam pintas?) me deixam intrigado...
Encontros e desencontros sempre foram comuns na minha vida... Que inclusive poderia se resumir a eles!!! O futebol é um deles... A fuga e o reencontro, como uma criança aflita, que encontra o seu mais adorado brinquedo, é um bom exemplo. Procurei me afastar, mas quanto mais eu me afastei, mais desesperado eu ficava atrás dele, tentando resgatar o mundo deliciosamente improvável da pelota. Assim foi sempre com amigos, com músicas, com família... E acabou sendo com você, mocinha...
Nunca dividimos muitas idéias fora faculdade e futebol, e não me recordo de ter dividido uma cerveja antes de minha proposta de ajuda no seu estágio... Apenas uns papos rápidos, uma troca de telefone, um “vamos combinar”... Mas isso, até o estágio...
Sabe como é, uma coisa puxa outra, um estágio, uma cerveja, um bom papo, idéias interessantes... E ai vai um olhar, um sorriso, uma mexida no cabelo... E daí o canto da sereia foi pegando, devagarzinho... Foi pensando em cada pontinho no rosto... E como seria bom vê-los de perto, de talvez até senti-los, de imaginá-los como estrelas do universo, poder tocá-los... Os céus em minhas mãos, em meu rosto, em minha boca...
Inicialmente, nada muito romântico e elaborado... Uma cerveja, que mal pode haver? Um bom papo, qual o perigo? Sentir a mão dela, algo tão suave... Um beijo, que gravidade pode ter? Mais um, por que não? E mais um, e mais um, e mais um... Tudo isso muito bem fundamentado, conversado, argumentado porquê, sentido e exposto nas falas, nos olhares, nas sensações... Sem romantismo tosco e barato!!! Talvez o romantismo esteja no pensar sobre... No refletir sobre o conversado, sobre o feito, sobre o... A... Ah, sabe-se lá o porquê, mas pensar leva a romantizar.
Interessante pensar sobre tais coisas... A intensidade de tudo talvez tenha sido o grande catalisador... E, como dito por vossa senhoria, “vocês [homens] só começam a ficar interessantes com essa [a minha] idade”... Talvez o tempo fosse o combustível ideal para que trajetórias fossem traçadas, histórias fossem vividas, idéias fossem condensadas, e o reencontro fosse não “apenas” o coleguismo de faculdade, e sim a possibilidade do conhecer, a oportunidade do sentir, o horizonte aberto a novos e intrigantes caminhos...
Difícil pensar nestas coisas... Ainda mais ao ter consciência da estressante rotina de, muitas vezes, não ter rotina... Ou a ter em excesso!!! De finais de semana e madrugadas serem transformadas em horário normal de trabalho, de trocas de dias pelas noites. Mas um sorriso, uma mesa de bar, um problema a se resolver (e resolvido, como as coisas a se escrever para o seu estágio), ou uma “simples” noite em uma quadra de futebol society podem transformar tudo isso em algo deliciosamente mundano perto de um sorriso, um beijo, e um “nossa, que bacana que você veio”... Isso marca, isso conquista.
Mocinha do rosto estrelado, do sorriso fácil e maroto, do papo profundamente conquistador na sua simplicidade, você me fez ter vontade de repensar, de rever coisas que ficaram para trás, que estavam aguardando a “senha” para, quem sabe um dia, voltarem a ser prioridade na minha vida. Como diria o poeta Cazuza “eu quero a sorte de um amor tranquilo, com sabor de fruta mordida”... Sossegado, mas ao mesmo tempo um desassossego desses, que vem, e que não querem ir, de jeito maneira!!! Você me concede esta dança?

Homem: o macaco que deu errado...

Como fazer para acertar sempre? Cometer erros é muito fácil, mas acertar...
Não vou me deter muito nisso, até pela hora, pelo álcool e por inúmeros outros acontecimentos... Mas o erro nos consome demais!!! O acero, bom o acerto é mais uma coisa na nossa vida, algo que se deixar, passa desapercebido... Mas o erro... Ah, este é fatal!!!
Ainda bem que a vida nos dá condições de corrigir os eros, de tentar arrumar aquilo que de mal você faz...
Ah, e quer saber: não me deram a receita mesmo, então, vou errar mesmo!!! Não errar por errar, mas vou tentar acertar... Eu sou assim mesmo, tento acertar, e até acerto pra caramba, mas vou errar...
Peço desculpas antecipadas, e tenham certeza que não fiz por mal...

quarta-feira, 20 de maio de 2009

A novidade

A novidade é uma coisa que assombra, as vezes... Te dá uma sensação maluca, um frio na barriga, faz as pupilas dilatarem... Mas, ao pensar sobre essa novidade, o sentimento começa a mudar... A sensação de embrulho do estômago é latente, o questionamento sobre o certo e errado, inevitável... Qual rumo tomar? Por que cometer os mesmos erros? Ah, vai ser bom, vale a pena...
Fazer coisas novas te dá uma sensação de liberdade, de potência... "Sim, eu posso!!! Posso o que eu quiser!!!" Mas também trás as suas consequências, de arcar com o imprevisível, o imponderável... Como solucionar os problemas que não foram previstos, as sensações das quais não estávamos preparados para sofrer?

A novidade veio dar a praia
Na qualidade rara de sereia
Metade o busto de uma deusa maia
Metade um grande rabo de baleia
A novidade era o máximo
Um paradoxo estendido na areia
Alguns a desejar seus beijos de deusa
Outros a desejar seu rabo pra ceia
O mundo tão desigual
Tudo é tão desigual
O, o, o, o...
De um lado esse carnaval
De outro a fome total
O, o, o, o...
E a novidade que seria um sonho
O milagre risonho da sereia
Virava um pesadelo tão medonho
Ali naquela praia, ali na areia
A novidade era a guerra
Entre o feliz poeta e o esfomeado
Estraçalhando uma sereia bonita
Despedaçando o sonho pra cada lado
Ô Mundo tão desigual...
A Novidade era o máximo...
Ô Mundo tão desigual...

E me questionam: E a poesia? Bom, deixe-a para os poetas e os românticos, pois dela se nutrem para sua vida... Sou mais afeito à realidade, ao tangível. Amo sim, mas simplesmente, racionalmente. Não tenho mais fôlego nem espírito para rompantes de paixão maluca e insandecida, própria da poesia. Para mim, existe uma pedra no meio do caminho...

terça-feira, 19 de maio de 2009

Aviso aos navegantes (eu e talvez alguém que leia isso...)

Estava no meio de uma história. Uma viagem, que deu novo gás, novo espírito. Decretei o fim dela, antes mesmo de seu fim. Os rascunhos foram perdidos, junto com fotos e sensações, na queda de um aparelho que deveria significar a segurança de arquivos "virtuais" (pobre paradoxo)... Reviver tal história, após tanto tempo e coisa transpassada, é fazê-lo sem o devido frescor das sensações vividas e experimentadas. Logo, é finito!!!
Navegantes, muita água rolou, porém a vontade não era tanta a fim de convencer-me de relatar este período transcorrido... Viver foi intenso, descansar idem, porém o "descompromisso" com "isto" foi maior, a ponto de criar uma barreira na escrita... Foram precisas novas sensações, novos impulsos e novos "problemas a serem resolvidos" os geradores de novo rompante de escrita.
Um retorno definitivo?! Não creio... Uma necessidade impulsiva, mas sem uma determinação?! Provável... Apenas uma coisa é certa: talvez, definitivamente, esta não seja a minha praia, e vir até ela "tomar um sol" não seja uma coisa eterna, e sim talvez uma carência momentânia, que vai e vem, assim como as ondas do mar...

O tudo e o nada...

Muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, a rotina, a preguiça... Nada de diferente, sempre as mesmas coisas, as mesmas pessoas, os mesmos lugares, as mesmas ações...
Pois é, a vida segue caminhos que nos deixam com o gosto de um déjà vu interminável, insáciável... Bom ou ruim? Segurança ou rotina? Questões que povoam a mente de um pobre funcionário público, dentro do coletivo, a caminho ou no retorno de seu "ganha-pão", ou em uma viagem qualquer, para uma periferia ou outro lugar qualquer, ou ainda na frente da tela de um computador, ou por fim, no leito de sua cama... Dúvidas que deveriam fazer agir, e que até faz, mas que muitas vezes apenas fazem pensar, rememorar, sonhar...
Vida dual, com rompantes de alegria-triste, e de depressões-felizes... Pensar, agir, sorrir, flertar... Com o maravilhoso, e ao mesmo tempo, com o exato...

Baby, compra o jornal
E vem ver o sol
Ele continua a brilhar
Apesar de tanta barbaridade...

Baby escuta o galo cantar
A aurora de nossos tempos
Não é hora de chorar
Amanheceu o pensamento...

O poeta está vivo
Com seus moinhos de vento
A impulsionar
A grande roda da história...

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de ventos...

Se você não pode ser forte
Seja pelo menos humana
Quando o papa e seu rebanho chegar
Não tenha pena...

Todo mundo é parecido
Quando sente dor
Mas nu e só ao meio dia
Só quem está pronto pro amor...

O poeta não morreu
Foi ao inferno e voltou
Conheceu os jardins do Éden
E nos contou...

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de ventos...(2x)

Ahannn ahannn ahannn!

O poeta não morreu
Foi ao inferno e voltou
Conheceu os jardins do Éden
E nos contou...

Mas quem tem coragem de ouvir
Amanheceu o pensamento
Que vai mudar o mundo
Com seus moinhos de ventos...(2x)

Ahannn ahannn ahannn!

(Dedicado a mente conflituosa do autor, embaralhado com diversos "pontos"...)

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Parte X – Um estrangeiro em terras brasileiras

A chegada no Rio foi uma coisa bizarra... Uma sensação de medo me invadiu, quando percebi que estava completamente perdido, no meu próprio país!!! Estou com três mapas e um guia do Rio... Se não fossem esses mapas, esses guias, e algumas almas bondosas, estaria até agora tentando sair da rodoviária...
Agora, eu tenho a real noção de como se sente uma pessoa de fora, um “forasteiro”... Aos poucos, fui descobrindo como funcionam as coisas no Rio, me localizando, descobrindo a “Cidade Maravilhosa”.
Mas o melhor foi chegar no albergue onde eu ficaria hospedado e descobrir que, além de mim e das pessoas que lá trabalhavam, a única pessoa que falava português era um ALEMÃO!!! Sim, eu virei um estrangeiro até no albergue... Aos que vinham falar comigo, a frase já estava “musical”: “Hi, my name is Bruno! I don’t speak english, sorry...” Andei muito nesses dias de descanso, sempre acompanhado de minha máquina fotográfica. Foram mais de 600 fotos, e os olhares dos “locais” sempre me definindo como “o turista”...
Nas reflexões das viagens, percebi o quanto eu fico “preso” na minha rotina, e o quanto posso evoluir ainda, ao conhecer novos lugares, ao me esforçar para aprender novas línguas... A comunicação é uma coisa fundamental, e sem ela, somos estrangeiros em qualquer lugar que estivermos... Seja em São Paulo, Ilha Grande, Rio de Janeiro, Lyon, Sevilla... Seja lá como, é fundamental saber se comunicar!!! Pois, como já dizia o filósofo Chacrinha: “Quem não se comunica, se estrumbica!”

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Parte IX – Cervejas e reflexões




No Rio, tal como em Ilha Grande, pude ter tempo para boas reflexões sobre muitas coisas... E, em boa parte delas, estava acompanhado de amigos e “algumas” cervejas. Em várias dessas reflexões, compartilhei com as pessoas diversas idéias, propostas, coisas a serem feitas, e pensamos sobre nossas vidas, o caminho que elas estão tomando a partir de nossas ações... É bom poder trocar idéias com pessoas centradas, que aparentam não ser pessoas sérias, mas que sabem dividir a personagem do dia-a-dia da pessoa que pensa e age em prol de conquistas na sua vida.
Conversamos sobre o “saudosismo” proporcionado pelos nossos áureos tempos de faculdade, e da forma que notamos como alguns de nossos amigos não conseguem se desligar da “turma” da faculdade, da universidade. Sim, é sempre muito bom estar entre amigos, compartilhar coisas bacanas, mas é necessário andar com suas próprias pernas, fazer coisas para sua própria vida, ou seja, viver de verdade. Embora aproveitar o tempo de faculdade seja viver sua vida, um dia a coisa tem de terminar, e temos que virar “adultos”, e elaborar uma vida séria, indo atrás dos seus objetivos. Outro tema de nossas conversas de mesa de bar foi o que deixaremos como “herança” de nossa passagem pela vida. Sem enfoques religiosos, toda a discussão anterior nos fez pensar: o que eu vou ter realizado até o fim da vida? E daí, construir uma vida, ter a companhia de alguém, passar ensinamentos a sua prole, tudo isso foi abordado... Será que esse é o caminho? Mas, também, por outro lado, seria muito pequeno ter uma vida inteira pela frente para nada realizar... Seja lá o que for ser feito, o importante é ter a sensação de ter realizado algo de útil, seja para si mesmo, para alguém que lhe acompanhe durante a vida, para seus filhos, ou para a sociedade. Não realizar nada é jogar a vida fora, e ter essa sensação ao final da vida, creio ser uma das piores decepções para qualquer ser humano...
Depois de toda essa conversa, ao mesmo tempo que minha alma se acalmou por conta de saber que estou, novamente, trilhando pelo caminho certo, meu espírito tomou uma injeção de adrenalina, pois eu queria mais!!! Mais viagens, mais momentos como estes, mais possibilidades de crescer!!! E ver amigos fora do país, alcançando coisas inimagináveis, e ter aquela “inveja” de todos que tem essa oportunidade... Bom, aos poucos vou me libertando, e alcançando meus objetivos, realizando meus sonhos... Opa, a cerveja acabou. Garçom!!!

Parte VIII – Praia, chuva, orelhões e a Lapa




Chegando no albergue (muito bem recebido, diga-se de passagem), deixei minhas tranqueiras na minha cama e fui, claro, para a praia. Fiquei muito bem localizado, na Rua Toneleros (vamos lá, historiadores, qual a importância desta rua?), muito próximo a praia de Copacabana. Praia “bonita”, gente bonita, estrangeiro pra caramba... Mas eu não fui pro Rio pra ficar nas praias (já tinha passado uma semana em praias muito mais bonitas que qualquer uma do Rio), e sim conhecer a cidade... Armado de minha máquina fotográfica, lá fui eu comer alguma coisa, elaborar um roteiro, andar pelo calçadão (mais uma coisa fantástica do Rio) e conhecer um pouco da Avenida Atlântica (que beira a praia de Copacabana)... Chegando ao Forte de Copacabana, mais algumas fotos, e rumo a próxima praia, do Leme... Mas chegando lá, qual não é a minha surpresa quando começa a chover!!! Sim, a chover!!! Qual a chance de você estar no Rio, conhecendo a cidade, andando nas praias da zona sul e, não mais que de repente, começar a chover??? E que chuva, mermão... Pois é, fazer o que...




















Daí, lembrei de um amigo que estava no Rio, e que poderia ser uma boa companhia, além de umas boas dicas do que fazer no Rio... Mas uma coisa posso dizer: se estiver no Rio, nunca dependa de um telefone público!!! De uns 20 que eu tentei usar, apenas 1 funcionou... Orelhões de merda, quase me arrebentaram!!!









Bom, ao menos um deles funcionou, entrei em contato com o dr. Victor Hugo, e fechamos nosso destino para a noite de sexta-feira: a Lapa, point da boemia carioca.












Posso falar pra vocês que a Lapa ferve a noite!!! Um lugar muito descolado, com muita gente bonita, e que me impressionou logo ao chegar. Com botecos muito bacanas, e o melhor: com preços acessíveis!!! Minha primeira noite no Rio quebrou todo o medo e desespero da chegada, tudo aquilo que passava na minha cabeça de que não tinha sido uma boa idéia a de ter ido para o Rio, pois iria ficar sozinho, num lugar que não liga a mínima pra quem é de fora, principalmente pra quem fala “porrrta”... Sim, eu adorei o Rio!!!






Parte VII - O Rio de Janeiro continua lindo...

Passada uma semana, o Paraíso iria começar a se transformar em um inferno... A saudade de casa e o marasmo iria nos consumir! Era preciso sair dali para não estragar a perfeição! Decisão tomada, iríamos pegar nossas coisas e ir embora... Brunão e Helder de volta para São Paulo, e eu, rumo a mais uma viagem: ah, Rio de Janeiro...







Tempo record em desmontagem de barracas, despedidas de praxe, fila para entrar no barco, coca-cola pra limpar o estômago da cachaçada do dia anterior (velho, fiquei a um passo de fazer merda a noite inteira), milhões de bolsas nos braços... E lá estávamos nós, dando um “até logo” para Ilha Grande.






Chegando em Angra (aquela cidade feia pra cacete), uma espera monstra pelo carro do Helder, últimos acertos, rodoviária... E lá estava eu, sozinho, com minhas mochilas, os caras indo embora, e o Rio de Janeiro me esperando... Três horas de viagem, muita coisa passando pela cabeça, e as primeiras impressões do Rio nada boas...








Ao descer na rodoviária, um medo animal me invadiu... Eu não fazia idéia de onde eu estava!!! Ligações pra São Paulo, banco, e uma banca de revistas para comprar um mapa da cidade... Sentei em um banco da rodoviária, abri o mapa e a grande revelação me atingiu: não fazia a mínima noção de onde eu estava!!! Aquele antigo medo se transformou em desespero!!! Como assim, onde eu estava???









Ainda bem que a única pessoa de boa vontade no Rio sentou ao meu lado e me ajudou a me localizar, a ter idéias de como chegar no albergue onde ia ficar, a me mover pelo Rio... Mais um obrigado, este virtual, a bondosa senhora carioca que me ajudou...








Aos poucos, comecei a me localizar no Rio, e comecei a me encantar com a cidade... O metrô é animal, funciona muito bem, o centro é muito bonito (para um historiador como eu, é fantástico), a zona sul é um lugar muito tranqüilo... Sabe, acho que me apaixonei por esta cidade...

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Run to the Rio Parte VI – Los três amigos



Três caras, um carro, muitas bolsas,um sentimento de amor em comum pela faculdade que estudaram, muitas histórias, e uma vontade imensa de “descansar”. Isso uniu este que vos fala, Bruno Brando Balazs, o Brunão e Helder Lange Tiso numa viagem que, aos poucos está sendo narrada. O merecido (?) descanso nos aguardava. Uma viagem fantástica, imagens que ficarão gravadas pelo resto de nossas vidas, muitos momentos de reflexão...







Poderia dizer que foi a melhor viagem de todos os tempos, que fizemos e acontecemos, e tudo mais... Mas não foi... Foi sim uma viagem maravilhosa, que ficará na memória, mas os melhores momentos, posso dizer que foram mais de silêncio do que de “ações”. Fizemos muitas coisas, conversamos, bebemos, comemos bem... Mas posso dizer que nos momentos de introspecção é que vinha a certeza de que tinha valido a pena cada momento da viagem. A tranqüilidade de poder pensar na sua vida, no que representava essa viagem pra tudo o que aconteceu e acontece, rever coisas que ficaram guardadas lá no passado (e poder compartilhar com os amigos), e o melhor de tudo, pensar nas coisas que podem e devem ser feitas daqui pra frente, com sensatez e calma em cada passo. Acho que posso dizer que a viagem ajudou no amadurecimento, na reflexão. Troquei uma maluquice por uma tranqüilidade. Neste momento, talvez tenha sido o mais adequado... Não desmerecendo a doidera, claro!!! Sou maluco por natureza, mas era preciso um pouco de paz e momentos de “solidão”.








Acho que a viagem foi boa para os três... Nossa amizade não será a melhor do mundo depois dessa viagem, até pela história de vida de cada um, as viagens já feitas... Mas posso dizer que foi divertido, foi interessante, e foi instigante a cada dia. Valeu Brunão, valeu Helder!!! Obrigado pelos ensinamentos, pela paciência, pelas risadas e pelas experiências!!!












Run to the Rio Parte V – Constrangimentos no mundo paralelo

Para mim, Ilha Grande é um mundo paralelo, pois é um lugar muito bom para estar no meio de tanta porcaria que temos no nosso dia-a-dia... Mas, como constranger é uma arte, não poderíamos passar essa viagem sem os constrangimentos de praxe...









1º Primeira refeição em Ilha Grande, numa pizzaria (eles comem pizza com catchup, que droga!!!) grande, no centrinho da cidade. Primeiro, o atendimento foi uma merda. Eu e o Brunão loucos para mandar ver num rodízio de carne, e o churrasqueiro foi embora!!! Como assim? Bom, vai de pizza mesmo... Depois, um cheiro maravilhoso de cadáver começou a tomar conta de nossos narizes, e depois de muito reclamar, além das piadinhas, percebemos que estávamos perto da fossa da pizzaria... Ai entendemos porquê do atendimento exemplar... Pra encerrar, estava lá eu, deliciando minha maravilhosa pizza, quando, não mais que de repente, um cachorro que perambulava pelo restaurante quase entra debaixo do meu braço e por pouco não dá uma mordida no pedaço de pizza no meu prato!!! Ah, Judeu, deu bobeira...











2º Praia Lopes Mendes, sol maravilhoso (estou descascando até agora), praia linda, Brunão, Helder e Dani (um amigo muito gente boa do Helder que estava conosco no camping) na água, eu na areia, ouvindo minha música, brisando com a paisagem, namorada do Dani tomando sol, quando, de repente, ela olha para a água e vê três, “meninas” próximas dos “garanhões”... Eis que, num pulo, ela se levanta e vai para a beira da praia, e tal como um maestro, começa a acenar para o namorado, tentando lhe chamar a atenção. Sem resposta, veio em minha direção, bufando. Eu, muito educado, tirei um dos fones, dei um sorriso e esperei uma resposta. Ela, puta da vida, passou por mim falando um monte de asneiras sobre como os homens são escrotos e coisas do tipo, pegou o maço de cigarro e voltou para a beira da praia, onde ficou sentada, fumando, no aguardo dos “meninos”... No retorno, nossa amiga despejou: “Você acha que sou palhaça? Você e seus amigos lá, com aquelas vagabundas, bem na minha frente! Eu sou otária?” E o Helder, na tentativa de ajudar o amigo em perigo, me manda: “Ai, otária também não, né...”










3º Véspera de ano novo, um puta cruzeiro ancora perto da ilha, e toda aquela cambada de burguês invade o paraíso... Bom, vamos lá, bora ver a Babilônia... Os velhos tirando fotos, bebendo como porcos, a mulherada... De repente, uma morena fantástica aparece, de biquini rosa, um espetáculo!!! Todo mundo olhando, ela para a ilha!!! E acompanhada de um gringo zuado!!! Mas, por que ela anda atrás dele? Por que ele não pega na mão dela? Imaginem, aquele mulherão com um frango daquele... Bom, paga quem pode, e precisa...












4º Noite de passagem de ano, fizemos amizade com um pessoal de São José dos Campos, nossos vizinhos de barraca (quatro meninas e um cara, o Ewerton), começamos a tomar uma tequila com eles (bom, só o Brunão, eu sabia que se eu tomasse, ia dar merda), e o mano Ewerton começando a dar vexame, oferecendo suas amigas pra todo mundo no camping, constrangendo elas, nós e o resto do camping... Bom, saímos pra comemorar o ano novo, bebemos, nos divertimos, e ao voltar, começamos a ouvir um ruído estranho, vindo da barraca do mano Ewerton... O cara pegou uma das amigas dele, que ficou muito louca de tequila, e deu um “senhor trato” na menina!!! Foi tão absurdo que o camping inteiro ouviu!!! Ah, família brasileira... E pior: eram MEUS vizinhos de barraca!!! Dormir, pra quê? Ouvir tudo, desde gemidos, berros, choros (sim, ela chorou) e frases do tipo: “Ewerton, já falei que não gosto de dedo!”, ou “Não quero mais, você é muito grande! Por isso que não gosto de negro!” foi demais!!! Mas o pior da noite foi a discussão de ir ou não para o funk que tava rolando na praça... Ela encheu tanto o saco do cara que teve uma hora que nem eu agüentei, e falei: “Porra Ewerton, leva logo essa mina pra porra do funk, não custa nada!!!” É amigos, constranger é uma arte!!!